in ,

Menina de SC: MPF recomenda que hospital da UFSC faça o aborto na criança de 11 anos estuprada

Menina de SC: MPF recomenda que hospital da UFSC faça o aborto na criança de 11 anos estuprada

By The Intercept

Os deputados da bancada do Psol na Câmara entraram com uma ação contra a juíza Joana Ribeiro Zimmer no Conselho Nacional de Justiça, o CNJ, nesta quarta-feira, 22 de junho. O pedido é uma resposta à atuação de Ribeiro no caso de uma menina de 11 anos, grávida após estupro, que foi induzida pela juíza em audiência a desistir do aborto legal e mantida por ela em um abrigo para evitar o acesso ao procedimento. O caso foi revelado na segunda-feira em reportagem do Intercept e do Portal Catarinas.

No pedido para o CNJ apure a conduta da juíza, os deputados apontam a ilegalidade da decisão de Ribeiro de negar o aborto legal com a justificativa de que o Ministério da Saúde só autoriza o procedimento até a 22ª semana – o que não é verdade. Eles escrevem que a juíza usou a orientação do ministério “para sustentar uma posição que sabidamente não é legal, constrangendo, revitimizando e colocando em risco a integridade física de uma criança vítima de violência sexual com o intuito proteger um feto com baixa viabilidade de sobrevida”.

Os parlamentares também abordam a decisão de Ribeiro de manter a criança em um abrigo para evitar que ela fizesse o aborto legal, dizendo que a juíza “tratou uma criança vítima de estupro como mera incubadora do feto que trazia consigo” – conduta que, segundo eles, se enquadra no crime de abuso de autoridade, previsto na lei 13.869/2019:

Art. 9º. Decretar medida de privação da liberdade em manifesta desconformidade com as hipóteses legais:
Pena – detenção, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Os deputados ressaltam ainda que a juíza “se vale do sigilo processual da vara da infância, que serve para proteger crianças e adolescentes da exposição pública, para acobertar práticas ilegais e interpretações completamente distorcidas do princípio da proteção integral”.

Eles caracterizam “o conjunto de decisões, abordagens e intervenções” de Joana Ribeiro como uma “execrável tortura psicológica contra a criança” que violaria a Lei Orgânica da Magistratura Nacional e o Código de Ética da Magistratura. Motivo pelo qual, por fim, eles afirmam ser “indispensável” a averiguação do CNJ.

A representação é assinada por Áurea Carolina, de Minas Gerais; Fernanda Melchionna, do Rio Grande…

Read Full Story At: The Intercept

Sometimes I thought this day would never come, says Zondo as he hands over final state capture report

Nothing phone (1)’s Glyph Interface Adds More to Notifications LEDs!

Nothing phone (1)’s Glyph Interface Adds More to Notifications LEDs!